Galeria

Poder sem Limites (Chronicle, 2012)

Por Flá Sobral

Além de filmes de terror, gosto muito do gênero ficção científica, e não pude deixar de ficar curiosa com o trailler deste e assistí-lo no cinema. Claro que os efeitos realmente estão perfeitos, mas não se compara a nenhum Transformers e me decepcionei com a lentidão da trama e o final.

O roteiro é de Max Landis, com direção de Josh Trank, que aos 27 anos tornou-se o mais jovem diretor a ter um filme #1 nas bilheterias, seguido por Steven Spielberg – aos 28 anos com Tubarão (Jaws, 1975).

O filme é estrelado por três rapazes: Dane DeHaan (conhecido por sua interpretação de Jesse na série “In Treatment” da HBO, vencedor do Globo de Ouro e outros diretores já fizeram suas apostas pra ele atuar em outros filmes no cinema), Michael B. Jordan (que em 2002, ganhou mais atenção ao desempenhar o papel de Wallace na primeira temporada da série “The Wire” da HBO  e em 2010, ele foi considerado um dos 55 rostos do futuro através da Nylon Magazine do Young Hollywood), e Alex Russell (que estreou no cinema em 2010, no filme Wasted on the Young), como as respectivas personagens: Andrew, Steve e Matt.

A trama na forma de documentário é iniciada com a aquisição por Andrew de uma câmera, onde a partir de então começa a gravar seu dia-a-dia. Logo percebe-se que sua vida é bem conturbada, já que seu pai Richard (Michael Kelly) é alcoolatra, sua mãe Karen (Bo Petersen) está em estado terminal devido ao câncer, e como se isola de todos não possui uma vida social agradável.

Tudo muda quando vai em uma festa feita em uma casa abandonada, por insistência de seu primo Matt, e como está com a câmera, o popular Steve o chama para fazer uma gravação de algo que encontram: um estreito e profundo buraco; dentro dele está um objeto reluzente desconhecido (seria algo extra-terrestre?!), ao tocarem, suas narinas começam a sangrar e sentem fortes dores na cabeça, uma forte luz ofusca toda a tela, e corta para outra cena, com os três juntos, manifestando seus poderes telecinéticos. Posteriormente, tentam voltar ao local para descobrir o que aconteceu, mas o buraco não existe mais e são avisados para sair daquele lugar devido a instabilidade no terreno.

A partir daí os jovens tornam-se grandes amigos, convivendo todos os dias e explorando seus poderes. No estilo daquelas comédias adolescentes bem fracas, eles trolam as pessoas fazendo os objetos se moverem, mudando o lugar de um carro no estacionamento, treinam voos, prometem voar juntos o mundo inteiro (aproveitam para encaixar o motivo do final! Que tosco) e até deleitam-se jogando nas alturas… blá, blá, blá – bem “parada” essa parte. Aprimoram seus poderes, até que Andrew usando de suas habilidades telecinéticas, joga para fora da estrada um motorista apressadinho que estava colando na traseira do carro de Matt, que determina a limitação dos poderes contra seres vivos.

Com a falta de popularidade de Andrew, Steve e Matt são os únicos que se mostram centrados e incentivam Andrew para se tornar mais descolado, porém acaba dando errado ao ser humilhado numa tentativa mal sucedida de perder a virgindade, tornando-se mais hostil e retraído, principalmente quando seu pai o ataca e utiliza de sua habilidade para contê-lo. Steve é atraído, não sabe como, ao encontro de Andrew (os amigos tem uma forte ligação não chegando a ser telepática, mas no desequilíbrio da habilidade causa hemorragias nasais e fortes dores nos outros dois companheiros). Steve tenta consolá-lo, mas Andrew segue cada vez mais irritado até que Steve é subitamente atingido por um raio e morre. No funeral de Steve, Matt questiona Andrew sobre as circunstâncias suspeitas da morte do amigo, que nega conhecimento ou responsabilidade, mas ao ficar sozinho implora o perdão no túmulo de Steve.

A partir de agora Andrew parece estar totalmente irracional e quando a condição de sua mãe piora, tenta usar seus poderes para roubar dinheiro para o remédio. Vestido de Pyro – Team Fortress 2 (hehe!) e depois de paciente estropiado, o longa abusa dos efeitos especiais na luta de Matt para impedir o primo, mas é obrigado a matá-lo com a lança de uma estátua e foge.

Estilo aquelas cenas bem falseta de projeção de fundo um ator dirigindo dentro do carro,  Matt aparece no Tibete com a câmera de Andrew (ahh vah!) deixando uma mensagem para Andrew, prometendo usar seus poderes para o bem e descobrir o que aconteceu com eles no buraco (trollface pra ele :/)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s